Pára, meu coração! Não penses! / Deixa o pensar na cabeça!

Fernando Pessoa

miércoles, 9 de mayo de 2012

Vitis vinifera (Mário Cláudio)




VITIS VINIFERA

La noche de mayo es una uva blanca,
aplastada en la piel de la muñeca
para que no se seque el tallo de la edad.

Apaga el viento la mirada
mientras el río no se cansa de correr.

Y creces,
entre peñascos y cañaverales,
con la camisa abierta.

Mário Cláudio

De su libro Dois Equinócios. Ilustrações de Américo Moura, Campo das Letras, Porto. 1996.

(Poema traducido por El transcriptor)



VITIS VINIFERA

A noite de maio é uma uva branca,
Esmagada na pele do pulso
Para que nao seque o caule da idade.

Apaga o vento o olhar
Enquanto se não cansa o rio de correr.

E cresces,
Entre penhascos e canaviais,
De camisa aberta