.

.

.

el sabroso oficio / del dulce mirar GóngoraWie schwer es ist, die Schönheit zu begreifen! Günter Eich

jueves, 25 de abril de 2013

José Afonso - Eu dizia

*

Até morrer o cantor de O canarinho manteve a sua proposta de construir (construirmos) a cidade da "Utopia", que nos deixou interpretada de uma forma sublime neste álbum. Um álbum que constitui o seu testemunho estético-político e revela em definitivo o rosto humano da utopia, o rosto de José Afonso, envolvido numa luz láctea de infinita alegria.

(Alfarrábio - Universidade do Minho)


EU DIZIA

Eu dizia
Quando madura
Me animavas
Seguindo a noite
Barco ou estrada

Sem rótulo
Sem luzes
Em vitória
Na mesma rota
De tanto
Compatriota

Entre o sol e a lua
Sereníssima
Rodavas em silêncio
Noite fora
Fazíamos uma noite
De vigília
Do lado da montanha
Ninguém chora

De uma montanha
Ninguém chora

Entre o sol e a lua
Sereníssima
Do lado da montanha
Ninguém chora
Do lado da montanha
Ninguém chora


Letra e Música: José Afonso
Álbum: Como Se Fora Seu Filho (1983)














2 comentarios:

Paco Campos dijo...

obrigadíssssssssssssssssimo,
irmao


Paco

El transcriptor dijo...

De nada, meu irmão... Yo soy el que te agradece haberme traído a la memoria este disco.

Pedro