.

.

.

el sabroso oficio / del dulce mirar GóngoraWie schwer es ist, die Schönheit zu begreifen! Günter Eich

sábado, 13 de julio de 2013

João Gilberto - Desafinado



Un monumento de la canción brasileña, Desafinado, canción compuesta por Tom Jobim y Newton Mendonça. Esa voz de João Gilberto, ese saxo de Stan Getz...


DESAFINADO

(Quando eu vou cantar, você não deixa
E sempre vêm a mesma queixa
Diz que eu desafino, que eu não sei cantar
Você é tão bonita, mas tua beleza também pode se enganar)

Se você disser que eu desafino amor
Saiba que isto em mim provoca imensa dor
Só privilegiados têm o ouvido igual ao seu
Eu possuo apenas o que Deus me deu

Se você insiste em classificar
Meu comportamento de anti-musical
Eu mesmo mentindo devo argumentar
Que isto é Bossa Nova, isto é muito natural

O que você não sabe nem sequer pressente
É que os desafinados também têm um coração
Fotografei você na minha Rolley-Flex
Revelou-se a sua enorme ingratidão

Só não poderá falar assim do meu amor
Este é o maior que você pode encontrar
Você com a sua música esqueceu o principal
Que no peito dos desafinados
No fundo do peito bate calado
Que no peito dos desafinados também bate um coração







Aquí, en una versión instrumental de Stan Getz y Charlie Byrd.





4 comentarios:

Salamandrágora dijo...

¡Preciosa!
Un saludo.

Paco Campos dijo...

un monumento, sí señor... para quitar o chapeu


Paco

El transcriptor dijo...

Lá isso é, Paco. Se eu ussase chapéu, tirava mesmo!

Abraço
e olá, Salamandrágora, bom dia!

Paco Campos dijo...

algum día vocé ha escutar a minha versâo com o meu parceiro, Xosé Taboada, ao saxo alto


Paco