.

.

.

el sabroso oficio / del dulce mirar GóngoraWie schwer es ist, die Schönheit zu begreifen! Günter Eich

viernes, 17 de julio de 2015

Mísia - Não me chamem pelo nome



Não me chamem pelo nome es un poema de António Botto (1897 - 1959) al que José António Amaral puso música. Canta Mísia. La canción pertenece al disco Garras dos sentidos, del que ya hemos escuchado aquí un poema de Fernando Pessoa, "Como inútil taça cheia", con el título de Dança de mágoas.


Quem é que abraça o meu corpo
Na penumbra do meu leito?
Quem é que beija o meu rosto,
Quem é que morde o meu peito?

Quem é que fala da morte
Docemente ao meu ouvido?
- És tu senhor dos meus olhos?
E sempre no meu sentido

A tudo quanto me pedes
Porque obedeço, não sei
Quiseste que eu cantasse
Pus-me a cantar... e chorei

Não me peças mais canções
Porque a cantar vou sofrendo
sou como as velas do altar
que dão luz e vão morrendo

Não me chames pelo nome
que me deram ao nascer
sou como a folha caída
que não chegou a viver

Meus olhos que por alguém
deram lágrimas sem fim
Já não choram por ninguém
- Basta que chorem por mim

O que é que a fonte murmura?
O que é que a fonte dirá?
- Ai, amor, se houver ventura
Não me digas onde está.






2 comentarios:

Paco Campos dijo...

¡qué bien le queda el acordeón al fado...!


Paco

El transcriptor dijo...

¡Y que lo digas, Paco! Además, creo que a ti ese instrumento "diz-te muito, não diz?"


Apertas