.

.

.

el sabroso oficio / del dulce mirar GóngoraWie schwer es ist, die Schönheit zu begreifen! Günter Eich

jueves, 14 de julio de 2016

Sérgio Godinho - Com um brilhozinho nos olhos





COM UM BRILHOZINHO NOS OLHOS

Com um brilhozinho nos olhos
e a saia rodada
escancaraste a porta do bar,
trazias o cabelo aos ombros
passeando de cá para lá
como as ondas do mar;
conheço tão bem esses olhos
e nunca me enganam,
o que é que aconteceu, diz lá:
É que hoje fiz um amigo
e coisa mais preciosa
no mundo não há.

Com um brilhozinho nos olhos
metemos o carro
muito à frente muito à frente dos bois,
ou seja, fizemos promessas,
trocámos retratos,
traçámos projectos a dois,
trocámos de roupa, trocámos de corpo,
trocámos de beijos, tão bom é, tão bom,
e com um brilhozinho nos olhos
tocámos guitarra,
pelo menos a julgar pelo som.

E o que é que foi que ele disse?
E o que é que foi que ele disse?
Hoje soube-me a pouco...
passa aí mais um bocadinho
que estou quase a ficar louco;
hoje soube-me a tanto...
portanto,
hoje soube-me a pouco.

Com um brilhozinho nos olhos
corremos os estores,
pusemos o rádio no “on”,
acendemos a já costumeira
velinha de igreja,
pusemos no “off” o telefone
e olha, não dá para contar,
mas sei que tu sabes
daquilo que sabes que eu sei
e com um brilhozinho nos olhos
ficámos parados
depois do que não te contei.

Com um brilhozinho nos olhos
dissemos, sei lá,
o que nos passou pela tola,
[o que nos passou pelo goto]
do estilo: és o “number one”,
dou-te vinte valores,
és um treze no totobola
[és o seis do meu totoloto]
e às duas por três
bebemos um copo,
fizemos o quatro e pintámos o sete,
e com um brilhozinho nos olhos
ficámos imóveis
a dar uma de “tête a tête”.

E com um brilhozinho nos olhos
tentámos saber
para lá do que muito se amou,
quem éramos nós,
quem queríamos ser
e quais as esperanças
que a vida robou,
e olhei-o de longe,
e mirei-o de perto,
que quem não vê caras
não vê corações,
e com um brilhozinho nos olhos
guardei um amigo que é coisa que vale milhões.