.

.

.

el sabroso oficio / del dulce mirar Góngora – ¡Qué difícil es entender la belleza! Günter Eich

martes, 13 de junio de 2017

Amélia Muge canta a Pessoa - Nevoeiro




Del único libro publicado en vida por Fernando Pessoa, Mensagem, este poema, "Nevoeiro", musicado y cantado por una de nuestras cantantes portuguesas favoritas, Amélia Muge.


NEVOEIRO

Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,
Define com perfil e ser
Este fulgor baço da terra
Que é Portugal a entristecer —
Brilho sem luz e sem arder
Como o que o fogo-fátuo encerra.

Ninguém sabe que coisa quer.
Ninguém conhece que alma tem,
Nem o que é mal nem o que é bem.
(Que ânsia distante perto chora?)
Tudo é incerto e derradeiro.
Tudo é disperso, nada é inteiro.
Ó Portugal, hoje és nevoeiro...
É a hora!

10-12-1928

Fernando Pessoa


Mensagem. Lisboa: Parceria António Maria Pereira, 1934.


No hay comentarios: